> Galería de Fotos (3 elementos)


3 Medias
   > Artigos relacionados
   > Edupédia

EV
Churchill, sir Winston Leonard Spencer
Blenheim Palace, Inglaterra 1874 - Londres, Inglaterra 1965
estadista britânico. Filho de R.H.S. Churchill, foi soldado e correspondente de guerra em Cuba, na Índia e na África do Sul. Em 1900 foi eleito deputado conservador, mas em 1904 transferiu-se para os liberais. Ministro do Comércio, do Interior e primeiro-lorde do Almirantado, foi duramente criticado quando fracassou a expedição naval aos Dardanelos, em 1915. Aceita a sua demissão pelo Governo, em 1916 serviu na França com a graduação de tenente-coronel. Foi ministro do Armamento (1917), da Guerra e da Aviação (1919) e, finalmente, ministro das Colônias (1921) no gabinete Lloyd George. Em 1922, a coligação entre os liberais e os conservadores foi derrotada e Churchill abandonou o Partido Liberal. Voltou como deputado conservador em 1924. Como ministro das Finanças e do Tesouro (1925), fez com que a Grã-Bretanha regressasse ao padrão-ouro, o que provocou duríssimas críticas. Depois do ruir do governo conservador em 1929, rompeu com o primeiro-ministro Baldwin por discordar da política conservadora sobre a Índia, opondo-se a qualquer renúncia do poder imperial britânico. Durante o período entreguerras, a sua oposição à política de distensão em relação a Hitler foi cada vez maior. Ao estalar a guerra entre a Alemanha e o Reino Unido, em setembro de 1939, foi nomeado primeiro-lorde do Almirantado no gabinete Chamberlain e em 10 de maio de 1940 sucedeu-lhe como primeiro-ministro. Personificou a resistência da nação britânica e organizou a defesa em todas as frentes. Impulsou a criação de uma frente balcânica e mediterrânica, antes de abrir uma segunda frente ocidental. A estratégia aliada foi sancionada definitivamente nas conferências de Teerã (1943) e de Ialta (1945). Após a celebração desta, aumentaram progressivamente as suas diferenças com a URSS. Foi derrotado pelos trabalhistas nas eleições de 1945, mas manteve-se como deputado até 1964. Foi eleito de novo primeiro-ministro em 1951 e em 1953 ganhou o prêmio Nobel de Literatura. Entre as suas obras destacam-se The World Crisis (1923-1929; A Crise Mundial), em seis volumes, e, sobretudo, The Second World War (1948-1954; Memórias da Segunda Guerra Mundial), em quatro volumes.

Subir