> Galería de Fotos (38 elementos)


38 Medias
   > Artigos relacionados
A era do totalitarismo: poderio nuclear
acmeísmo
Adigueia, República Autônoma de (república Autônoma da Rússia)
Akhmatova, Anna Andreievna (poetisa russa)
alano, a
Alasca, corrente do (corrente fria do oceano Pacífico)
Aldan (planalto da Rússia)
Aldan (rio da Rússia)
Alexandra Fedorovna (tsarina da Rússia)
Alexandre I da Rússia (czar da Rússia)
Alexandre II da Rússia (czar da Rússia)
Alexandre III da Rússia (czar da Rússia)
Almas Mortas (romance)
Altai (maciço da Ásia central)
Altai, República Autônoma de (república Autônoma da Rússia)
Altai, Território de (território da Rússia)
Amur (rio da Ásia Oriental)
Ana Karenina (romance do escritor russo)
Anabar (rio da Rússia)
Anadir (rio da Rússia)
Anadir, meseta de (planalto russo)
Angará (rio da Rússia)
Apolo (programa de exploração)
ártica, corrente (corrente marítima fria do oceano Ártico)
Ártico, oceano (bacia marinha)
Ásia (continente)
AsiaSat (família de satélites)
Azov, mar de (mar da bacia do mar Negro)
Bachkortostão, República Autônoma do (república Autônoma da Rússia)
Baikal, lago (extenso lago da Rússia)
Baikonur (cidade do Casaquistão)
Báltico, mar (mar exterior do oceano Atlântico)
Barguzin (rio da Sibéria)
Belaia (rio da Rússia)
Bering, mar de (mar do Pacífico)
Bizantino, Império (nome)
Blagoveshchensk (cidade da Rússia)
Bóbriki (cidade da Rússia)
Bolchevique, ilha (ilha da Rússia)
Boris Godunov (tragédia)
Branco, lago (lago da Rússia)
Branco, mar (setor do oceano Ártico)
Brest-Litovsk, Paz de (paz)
Buriátia de Aguínskoie (circunscrição autônoma da Rússia)
Buriátia, República Autônoma da (república Autônoma da Rússia)
Calmúquia, República Autônoma da (república Autônoma da Rússia)
Carélia, República Autônoma da (república autônoma da Rússia)
Cáucaso (sistema montanhoso)
Cherski, montes (sistema montanhoso da Rússia)
cita (antigo povo nômade)
Comunidade de Estados Independentes (CEI) (organização)
Coriacos, Circunscrição Autônoma dos (divisão administrativa da Rússia)
Crime e Castigo (romance)
Crimeia, Guerra da (conflito bélico)
Daguestão, República Autônoma do (república Autônoma da Rússia)
das Mães, Dia (data comemorativa)
Desna (rio do Leste europeu)
devoniano, período
Donbass (bacia carbonífera da Europa Oriental)
Dostoievski, Fiodor Mikhailovitch (escritor russo)
Doutor Jivago (romance)
Dovzhenko, Alexander Petrovitch (cineasta soviético)
Eisenstein, Serguei Mikhailovitch (cineasta soviético)
Elbrus (monte da Rússia)
Encouraçado Potemkin, O (filme soviético)
eslavo, a
Europa (continente)
Evenki, Circunscrição Autônoma dos (divisão administrativa da Rússia)
Finlândia, golfo da (enseada do mar Báltico)
futurismo
Gdask, golfo de (enseada da costa S do Báltico)
godo, a
Gorbachev, Mikhail Sergueievitch (político soviético)
Gorki, Máximo (escritor russo)
Guerra Fria (período)
Guerra Mundial, Primeira (conflito bélico)
Guerra Mundial, Segunda (conflito bélico)
Hebreus, Província Autônoma dos (província autônoma da Rússia)
huno, a
Iablonovi, montes (cadeia montanhosa da Rússia)
Iamalo-Neniets, Circunscrição autônoma dos (circunscrição autônoma da Rússia)
Idiota, O (romance)
Ieltsin ou Eltsin, Boris Nikolaievitch (político russo)
Ienissei (rio da Rússia)
Ilmen, lago (bacia lacustre da Rússia)
Indigirka (rio da Rússia)
Inguchétia, República Autônoma da (república autônoma da Rússia)
Irmãos Karamazov, Os (romance)
Ivan IV o Terrível (grão-príncipe da Rússia)
Janty-Mansisk, Circunscrição Autônoma dos (circunscrição autônoma da Rússia)
Japão, mar do (setor do oceano Pacífico)
Jardim das Cerejeiras, O (drama)
Jopior (rio da Rússia)
Kabardino-Balkária, República Autônoma de (república autônoma da Rússia)
Kaliningrado (província da Rússia)
Kama, barragem de (lago artificial da Rússia)
Kamchatka, península de (península da Rússia)
Kara, mar de (setor do oceano Glacial Ártico)
Karachayevo-Cherkesiya, República Autônoma de (divisão administrativa da Rússia)
Karamzin, Nikolai Mikhailovitch (historiador, crítico e escritor russo)
Kazbek (monte do Cáucaso)
Khabarovsk, Território de (território da Rússia)
Khakasses, República Autônoma de (província Autônoma da Rússia)
Khlebnikov, Viktor V. (poeta russo)
Kliuchevskaya (vulcão ativo da Rússia)
Kola, península de (região peninsular do NO da Rússia)
Komi Permiak, Circunscrição Autônoma dos (circunscrição autônoma da Rússia)
Komi, República Autônoma dos (república da Rússia)
Krasnodar, Território de (território da Rússia)
Krasnoiarsk, Território de (território da Rússia)
Kuban (rio da Rússia)
Kurilas (arquipélago do E da Rússia)
Kurilas, fossa das (fossa submarina do oceano Pacífico)
Kurski Zaliv (lagoa da Europa)
Kuzbass (bacia mineira da Rússia)
Ladoga, lago (lago da Rússia)
Lago Baikal, reserva da biosfera do (espaço natural protegido da Rússia)
Lapônia (região da Europa Setentrional)
Laptev, mar de (setor do oceano glacial Ártico)
Lena (rio da Rússia)
Lenin (político russo)
Lenin, pico (montanha da cordilheira do Transalai)
Mãe, A (romance)
Marii El, República Autônoma de (república Autônoma da Rússia)
Mezen (rio da Rússia)
Mordóvia, República Autônoma da (república autônoma da Rússia)
Moscou (cidade federal da Rússia)
Moscou, Batalha de (combates)
Munku-Sardyk (cume do centro da Ásia)
Narodnaia Gora (montanha da Rússia)
Negro, mar (mar interior no SE da Europa)
Nemuro, estreito de (braço de mar)
Neniets, Circunscrição Autônoma dos (divisão administrativa da Rússia)
Neva (rio da Rússia)
Nicolau I (tsar da Rússia)
Nicolau II Romanov (tsar da Rússia)
Nordeste, passagem do (via marítima)
Nova Sibéria, arquipélago da (arquipélago da Rússia)
Nova Zembla (arquipélago da Rússia)
Obi (rio da Rússia)
Obi, golfo de (estuário da costa N da Sibéria)
Oblómov (romance)
Oito, grupo dos (G-8) (denominação)
Oka (rio da Rússia)
Okhotsk, mar de (setor do oceano Pacífico)
Oliokma (rio da Rússia)
Onega (rio da Rússia)
Oriol (província da Rússia)
Oyashio (corrente marítima fria do oceano Pacífico)
Pasternak, Boris Leonidovitch (escritor soviético)
Pedro I o Grande (tsar da Rússia)
perestroika
Pérouse, estreito de La (braço de mar)
Planalto Central Russo (região da Rússia)
Pudovkin, Vsevolod Illarionovitch (diretor e teórico de cinema russo)
Pushkin, Alexandr Sergueievitch (escritor russo)
Putin, Vladimir (político russo)
Romanov (dinastia imperial)
russa de 1905, Revolução (acontecimento histórico)
Russa, Revolução (processo revolucionário)
Russo-Japonesa, Guerra (conflito bélico)
Sacalina (província da Rússia)
Sakha, República Autônoma de (república autônoma da Rússia)
samizdat
Saratov (província da Rússia)
Sayan Ocidentais (cadeia montanhosa da Rússia)
Sayan Orientais (cadeia montanhosa da Rússia)
Sião, Protocolos dos sábios de
Sibéria (região da Rússia)
Sibéria Oriental, mar da (setor do oceano Glacial Ártico)
Sihote-Alin (cadeia montanhosa da Rússia)
Stalin (político e ditador soviético)
Stanovoy (região montanhosa da Rússia)
Stanovoy, montes (cadeia montanhosa da Rússia)
START (negociações)
Stavropol, Território de (território da Rússia)
Taimir, Circunscrição Autônoma do (divisão administrativa da Rússia)
Tarkovski, Andrei (realizador soviético)
Tartária, estreito de (estreito)
Tartária, República Autônoma da (república autônoma da Rússia)
Tatlin, Vladimir Yevgrafovitch (pintor, escultor e arquiteto soviético)
Tchetchênia, República Autônoma da (república autônoma da Rússia)
Tchukotka, Circunscrição Autônoma de (divisão administrativa da Rússia)
Tchukotka, península de (península da Rússia)
Tchuváchia, República Autônoma da (república Autônoma da Rússia)
Teatro Bolshoi (teatro)
Terra de Francisco José (arquipélago da Rússia)
Terra do Norte (arquipélago desabitado da Rússia)
Tobol (rio da Rússia)
Tolstoi, Lev Nikolaievitch (escritor russo)
Tom (rio da Rússia)
Tuva, República Autônoma de (república da Rússia)
Udmúrtia, República Autônoma de (república autônoma da Rússia)
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) (antigo Estado)
Urais (cadeia montanhosa da Rússia)
Ussuri (rio da Rússia)
Valday, planalto de (região da Rússia)
varego, a
Verkhoyansk, montes (cadeia montanhosa da Rússia)
Vertov, Dziga (cineasta soviético)
Viena, Congresso de (reuniões)
Vinte, grupo dos (G-20) (foro econômico)
Vístula, lagoa do (reentrância da costa do golfo de Gdask)
Volga, altos do (região de colinas da Rússia)
Volga-Don, canal (canal navegável da Rússia)
Volgogrado (cidade da Rússia)
Vologda (cidade da Rússia)
Volzski (cidade da Rússia)
Vorkuta (cidade da Rússia)
Voronezh (cidade da Rússia)
Votkinsk (cidade da Rússia)
Vulcões de Kamchatka (espaço natural protegido da Rússia)
Vuoksa (rio da Rússia próximo à São Petersburgo)
   > Edupédia
   > Na rede

EV
Rússia
Rossiskaya Federatsiya
 Forma de governorepública federal
 Superfície17.075.400 km²
 Localidade143.056.400 habitantes (russo, a)
 CapitalMoscou (8.368.200 hab.)
 Principais cidades São Petersburgo (4.582.300 hab.)
Novosibirsk (1.395.500 hab.)
Niznij Novgorod (1.340.900 hab.)
Jekaterinburg (1.256.600 hab.)
 
Mais dados
Estado da Europa e da Ásia, que compreende grande parte da Europa Oriental e da Sibéria, desde o mar Báltico até o oceano Pacífico e desde o oceano Ártico ao mar Negro. É limitado ao SE pela República Popular da Coreia; ao S, pela Geórgia, Azerbaijão, Casaquistão, China e Mongólia; ao SO, pela Letônia, Bielorrússia e Ucrânia e ao O, pela Noruega, Finlândia e Estônia. Com uma superfície de 17.075.400 km² e uma população de 143.056.400 habitantes, o país divide-se em 49 províncias, 6 territórios, 21 repúblicas, 10 circunscrições autônomas, uma província autônoma e 2 cidades autônomas. Capital: Moscou. Língua oficial: russo. Religiões mais difundidas: cristã-ortodoxa e muçulmana.

Estrutura administrativa da Rússia

  Províncias

Superfície (km2)

População

Capital

População

Amur

363.700

979.400

Blagoveschensk

224.600

Arkhanguelsk

410.700

1.329.400

Arkhanguelsk

352.300

Astrakhan

44.100

1.015.400

Astrakhan

489.500

Belgorod

27.100

1.488.000

Belgorod

351.300

Briansk

34.900

1.388.400

Briansk

454.700

Cheliabinsk

87.900

3.573.300

Cheliabinsk

1.080.000

Chita

412.500

1.133.900

Chita

304.600

Irkutsk

745.500

2.518.700

Irkutsk

594.400

Ivanovo

23.900

1.040.300

Ivanovo

451.000

Iaroslav

36.400

1.350.400

Iaroslav

608.600

Kaliningrado

15.100

920.900

Kaliningrado

425.500

Kaluga

29.900

1.040.300

Kaluga

335.500

Kamchatka

170.800

351.300

Petropavlovsk-Kamchatski

186.200

Kemerovo

95.500

2.882.000

Kemerovo

487.500

Kostroma

60.100

767.400

Kostroma

289.300

Kurgan

71.000

1.060.100

Kurgan

364.200

Kursk

29.800

1.264.300

Kursk

442.900

Lipetsk

24.100

1.199.100

Lipetsk

535.100

Magadan

461.400

197.100

Magadan

112.100

Moscou

47.000

6.310.300

Moscou

Murmansk

144.900

870.200

Murmansk

353.500

Nijni Novgorod

74.800

3.494.200

Nijni Novgorod

1.340.900

Novgorod

55.300

698.000

Veliki Novgorod

227.000

Novosibirsk

178.200

2.671.700

Novosibirsk

1.395.500

Omsk

139.700

2.064.300

Omsk

1.132.300

Orenburg

124.000

2.170.000

Orenburg

521.400

Orjol

24.700

868.400

Orjol

343.200

Penza

43.200

1.466.400

Penza

529.500

Perm

127.700

2.739.100

Perm

998.800

Pskov

55.300

756.700

Pskov

197.300

Riazan

39.600

1.213.200

Riazan

524.100

Rostov

100.800

4.237.100

Rostov-na-Donu

1.012.300

Sakhalin

87.100

556.000

Yuzhno-Sakhalinsk

179.600

Samara

53.600

3.202.800

Samara

1.146.800

São Petersburgo

85.900

1.637.700

São Petersburgo

Saratov

100.200

2.633.900

Saratov

864.700

Smolensk

49.800

1.080.300

Smolensk

351.100

Sverdlovsk

194.300

4.457.000

Iekaterinburg

1.256.600

Tambov

34.300

1.199.400

Tambov

307.800

Tiumen

161.800

1.341.900

Tiumen

508.800

Tomsk

316.900

1.032.400

Tomsk

484.600

Tula

25.700

1.659.100

Tula

493.200

Tver

84.100

1.535.100

Tver

453.200

Uljanovsk

37.300

1.423.300

Uljanovsk

663.400

Viatka

120.800

1.515.800

Viatka

463.000

Vladimir

29.000

1.547.800

Vladimir

335.600

Volgogrado

113.900

2.581.900

Volgogrado

984.200

Vologda

145.700

1.283.500

Vologda

304.000

Voronej

52.400

2.367.400

Voronej

904.400

Territórios

Altai

169.100

2.565.400

Barnaul

573.300

Khabarovsk

752.600

1.466.500

Khabarovsk

604.300

Krasnodar

76.000

5.117.600

Krasnodar

644.900

Krasnoiarsk

710.000

2.814.900

Krasnoiarsk

867.300

Primorsk

165.900

2.068.000

Vladivostok

592.100

Stavropol

66.500

2.718.300

Stavropol

348.600

Repúblicas autônomas

Adiguéaia

7.600

438.200

Maikop

168.200

Alânia

8.000

689.200

Vladikavkaz

314.600

Altai

92.600

204.800

Gorno-Altaisk

54.200

Bachkortostão

143.600

4.044.500

Ufa

1.096.600

Buriátia

351.300

1.003.300

Ulan-Udé

370.900

Calmúquia

76.100

307.900

Elista

105.800

Carélia

172.400

736.300

Petrozavodsk

281.200

Daguestão

50.300

2.184.400

Makhackala

338.400

Inguchétia

3.750

488.000

Magas

121.100

Kabardino-Balkária

12.500

789.700

Nalchik

234.200

Karachayevo-Cherkesiya

14.100

428.700

Cherkessk

123.000

Khakasses

61.900

568.800

Abackan

172.100

Komi

415.900

1.061.400

Siktivkar

226.900

Mari-El

23.200

735.400

  Ioshkar-Ola

248.200

Mordoviya

26.200

888.000

Saransk

310.300

Sakha

3.103.200

887.300

Iakutsk

191.000

Tartária

68.000

3.682.800

Kazan

1.113.600

Tchetchênia 8.550 489.900 Grozni

117.800

Tcuváchia 18.300 1.312.700 Cheboksari

460.700

Tuva

170.500

306.600

Kizil

104.500

Udmúrtia

42.100

1.595.700

Izevsk

652.100

Circunscrições autônomas

Buriatas de Aguinskoie

19.000

77.600

Aguinskoie

9.700

Tcukotka

737.700

58.800

Anadir

9.900

Coriaques

301.500

25.300

Palana

3.500

Evenki

767.600

15.900

Tura

4.500

Iamalo-Neniets

750.300

489.600

Salekhard

33.000

Janty-Mansisk

523.100

1.295.400

Janty-Mansisk

36.500

Komi-Permiak

32.900

148.800

Kudimkar

34.500

Neniets

176.700

46.700

Narian-Mar

18.400

Taimir

862.100

38.500

Dudinka

24.500

Ust-Orda

22.400

140.600

Ust-Ordinski

12.800

Província autônoma

Hebreus

36.000

189.100

Birobidjan

77.000

Cidades autônomas

Moscou

8.368.200

São Petersburgo

4.582.300


GeografiaMeio físico• Geomorfologia A Rússia estende-se da Europa Oriental até os Urais, é constituída por uma extensa planície, acidentada, na parte central, pelas colinas de Valday, as colinas da Rússia central e as elevações do Volga. Próximo a este rio, localiza-se a região dos Urais, limite convencional entre a Europa e a Ásia, que desce gradualmente até os mares Negro e Cáspio, cujas bacias são dominadas pela cordilheira do Cáucaso. A Sibéria, de morfologia diversificada, compreende a Sibéria Ocidental, o planalto da Sibéria Central e os territórios do Oriente. A Sibéria Ocidental é constituída, fundamentalmente, por uma planície contínua ao longo de cerca de 2.000 km, e delimitada ao O pelos Urais, ao S pelas elevações do Cazaquistão, as cordilheiras do Altay e os montes Sayan, e ao E pelas escarpas do planalto da Sibéria Central. O extenso planalto da Sibéria Central é limitado, ao S, pelas poderosas cadeias montanhosas que são rebordo das estruturas rígidas dos planaltos da Mongólia. O extremo oriental da Sibéria, além do Lena, abrange um complexo sistema montanhoso cujas principais cordilheiras são os montes Verkoyansk (2.389 m) e Chersky (3.003 m no pico Pobedy). O extremo oriental é ocupado pelo planalto de Anadyr (1.843 m), entre os oceanos Ártico e Pacífico, ao longo do qual se alinham, no sentido meridiano, os montes do Kolyma, Dzhugdzhur e Sihote-Alin, situados frente ao arco das montanhas da ilha Sacalina e da península de Kamchatka, que, com o arco insular das Kurilas, fecha o mar de Okhotsk. Nesta zona que faz parte do Círculo de Fogo do Pacífico, existem grandes vulcões (Kljucevskaja Sopka, 4.750 m, topo de Kamchatka).
Rússia O rio Ienissei, perto de Igarka, na Sibéria
• Hidrografia, clima e vegetação Principais rios da Rússia: Volga, Ural e Terek (bacia do mar Cáspio); Don e seu afluente, o Donec (bacia do mar de Azov); Dvina Ocidental e Neva (bacia do Báltico); Onega e o Dvina Setentrional (bacia do mar Branco) e Pecora (bacia do mar de Barents). Principais rios da Sibéria: Obi e afluente (Irtys), Pur, Taz e Ienissei (bacia do mar de Kara); Kotuj, Anabar, Olenkëk e Lena (bacia do mar de Laptev); Jana, Indiguirka, Kolyma e Paljavaam (bacia do mar da Sibéria Oriental); Amur, Uda, Anadyr, Penzina (bacia do mar de Okhotsk). Das inúmeras bacias lacustres, destacam-se na Europa os lagos Ladoga e Onega, e no S da Sibéria, o Baikal (-1.620 m), o mais profundo da Terra.Nas planícies russas, o inverno é muito rigoroso (temperatura média de janeiro e julho -10 °C e 17 °C em Moscou, -7 °C e 16 °C em São Petersburgo, e -20º °C e 10º °C na costa do mar de Barents); a precipitação é inferior a 800 mm anuais e decresce ao E e ao SE. Na Sibéria, o clima é ainda mais rigoroso (temperatura mínima até -70 °C no planalto, sendo a média de janeiro e julho de -48°C e 13 °C; Vladivostok, na latitude da Europa Central, por se localizar na costa, apresenta médias em janeiro e julho de -10 °C e 20 °C); a precipitação oscila entre 500 mm anuais e menos de 250 mm na franja mais setentrional.Na parte europeia, a tundra estende-se ao longo da fachada ártica, e ao S é subtituída pela taiga de pinheiros, abetos e bétulas, e mais ao S pelo bosque misto de caducifólios e coníferas. Na zona das elevações do Volga, aparecem as estepes. Junto aos mares Cáspio e Negro crescem espécies subtropicais, mediterrânicas. A maior parte da região siberiana é dominada pelo bosque boreal de coníferas (taiga), que ao N cede lugar à tundra.População e povoamento A população é formada por russos (81,5 %), tártaros (3,8 %), ucranianos (3 %), čuvašs (1,2 %), baškirs (1 %), bielorrussos (0,8 %) e mordovianos (0,7 %), entre outros. Em geral, a sua composição é bastante homogênea nos diferentes territórios do país. A taxa de mortalidade é bastante superior à de natalidade, sendo a esperança de vida reduzida, o que se reflete em um índice de crescimento populacional negativo.A parte mais povoada é a europeia, onde as maiores porcentagens populacionais se registram no grande conjunto industrial situado em um raio de 200-300 km ao redor de Moscou, com mais de 50.000.000 de hab. As outras zonas mais povoadas são os Urais e São Petersburgo. Na Sibéria e na parte oriental, a população concentra-se na região industrial de Kuzbass e nos núcleos disseminados ao longo do eixo Transiberiano.Estrutura econômicaA economia russa apresenta uma máquina produtiva de consideráveis proporções, no entanto uma série de fatores sociais e econômicos representam um obstáculo ao desenvolvimento do país.• Agricultura, pecuária e pesca Agricultura: cereais (especialmente trigo, cevada, aveia e centeio), beterraba, oleaginosas, algodão, batata, legumes, linho, árvores de fruto e vinha. Exploração florestal (um dos dez maiores produtores mundiais de madeira).Criação de gado bovino e aves (espalhada por todo o país) para a produção de leite, carne e seus derivados. Pesca (sexto lugar mundial por volume de pesca) com modernas instalações nos portos de Murmansk, Nikolaievsk na Amure e Petropavlovsk-Kamchatsi. A pesca do esturjão concentra-se em Astrakan e no baixo Volga.
Rússia Mapa econômico
• Mineração e indústria As jazidas de ferro e carvão mais importantes encontram-se na Rússia (Pecora, margem E do Donbass, zona de Moscou e nos Urais) e na Sibéria (Kuzbass, Kansk, Acinsk, Saha, Kamchatka e na ilha Sacalina). O país é também um dos principais produtores de petróleo (as jazidas da Sibéria Ocidental, bacia do rio Obi, proporcionam mais da metade da produção russa). O gás natural (primeiro produtor mundial) é extraído no Cáucaso setentrional, na bacia do Volga, nos Urais e, sobretudo, nos campos do N da Sibéria (Urengoy). Destacam-se ainda a produção de manganês, níquel, cromo, urânio, estanho, platina, ouro e cobre.A produção de energia elétrica é 64,3 % de origem térmica, 14,8 % hidráulica e 12,8 % nuclear. A indústria pesada é um dos setores chave da economia russa. Os principais centros siderúrgicos concentram-se na zona central da parte europeia, nos Urais e na zona siberiana. Relativamente à metalurgia, é importante a produção de alumínio, cobre, chumbo e zinco, magnésio e níquel. As principais refinarias de petróleo encontram-se em Grozny, Tuapse, Orsk, Samara, Moscou, Yaroslavl e Omsk. Os centros da indústria química localizam-se em Novosomoski, Perm, Kirovsk, Krasnouralsk e Solikamsk. A produção de fibras artificiais concentra-se nas áreas industriais de Moscou e São Petersburgo, que também conta com indústrias de pneumáticos e plásticos, e com as principais fábricas da indústria farmacêutica. A indústria mecânica, muito desenvolvida, dedica-se à fabricação de tratores, maquinaria agrícola, automóveis e material ferroviário. A indústria aeronáutica tem sede em Moscou, Rybinsk, Nizni Novgorod e Samara, e a construção naval conta com estaleiros de relevo em São Petersburgo, Arhangelsk e Murmansk. Moscou e São Petersburgo são os centros mais importantes da eletrônica e da mecânica de precisão, e entre as restantes indústrias, destaca-se a têxtil, de cimento, tabagista e produtos alimentícios.• Infraestruturas de comunicação e balança comercial As enormes distâncias que separam os grandes centros urbanos e industriais dificultam as comunicações. A rede ferroviária desempenha um papel fundamental, especialmente, o Transiberiano (9.300 km entre Moscou e Vladivostok). A rede viária não é muito densa, e as vias internas navegáveis constituem uma rede extensa, cujos eixos mais importantes são o Volga, e os rios e canais que ligam os mares Báltico, Branco, Cáspio, Azov e Negro. Principais portos: São Petersburgo, Arhangelsk, Murmansk, Astrakan, Vladivostok, Nahodka, Petropavlovsk-Kamchatski, Magadan, Kaliningrado, Soci e Novorossijsk. Aeroportos: Moscou (3), São Petersburgo, Novosibirsk, Nisni Novgorod e Iekaterinburg.As trocas comerciais, com balança de elevado superávit efetuam-se principalmente com a Alemanha, Ucrânia, EUA e Bielorrúsia. As exportações baseiam-se no petróleo e produtos petrolíferos, gás natural, madeira e seus derivados, metais, produtos químicos e uma vasta gama de produtos para fins militares. As importações são compostas, sobretudo, por maquinaria, artigos de consumo, fármacos, cereais, açúcar e produtos alimentícios e metálicos semi-elaborados.
HistóriaOrigens e época antigaNeste vasto território, habitado desde o Paleolítico, conviveram historicamente inúmeras populações, algumas das quais fora da esfera russa até épocas muito recentes. Quanto às tribos eslavas que deram origem à matriz do povo russo, surgiram na Europa centro-oriental nos finais da Antiguidade. Anteriormente, o litoral N do mar Negro tinha sido habitado, entre os sécs. VIII e III a.C., pelos citas, nômades originários dos montes Altay que entraram em contato com as colônias gregas de Ponto Euxino. Conquistados por Mitridates do Ponto (106 a.C.), os citas foram-se diluindo entre os sármatas alanos vindos do este. A partir do séc. III, coincidindo com a chegada dos godos, os citas desapareceram definitivamente. A origem dos primeiros estados russos teve início com a emigração dos eslavos orientais desde as bacias superiores dos rios Vístula, Dniester e Dniepre até o mar Negro, iniciada após a extinção do Império Huno (453). Os primeiros burgos surgiram entre os sécs. VIII e IX, quando os suecos, chegaram ou varegos, que criaram uma grande rede comercial entre os mares Báltico e Negro. Em 862, o varego Rjurik estabeleceu-se em Novgorod; o seu parente Oleg ocupou Kiev (882), submetendo as tribos eslavas do Sul. Igor (913-945), filho e sucessor de Rjurik, tornou-se príncipe de Kiev, constituindo nos sécs. IX-XII uma ameaça para o Império Bizantino, apesar da forte influência bizantina que caracterizou o reinado de Vladimir (980-1015), casado com a princesa bizantina Ana Comneno. A religião cristã (988) foi declarada religião oficial. O principado, dividido após a morte do príncipe Yaroslav (1054) entrou em decadência, favorecendo o fortalecimento dos principados de Galícia, Novgorod e Vladimir-Suzdal.A ascensão de MoscouEm 1237, os mongóis de cão Batu invadiram as terras russas. Os principados de Riazan, Vladimir-Suzdal e de Galícia foram arrasados e Kiev incendiada (1240). Por seu lado, Alexander Nevsky de Novgorod, que havia derrotado os suecos e os teutônicos, conquistou, através do apoio dos mongóis da Horda de Ouro, o principado de Vladimir-Suzdal (1252-1263). O seu filho Daniel recebeu o pequeno Principado de Moscou (1263), ligando a sua sorte à Horda de Oro que, em 1328, outorgou a Ivan I de Moscou o título de Grão-Príncipe. Moscou aumentou o seu território anexando os principados mais débeis e tornou-se a capital religiosa russa. Ivan III (1462-1505) dominou todos os principados do N e do NE. Tomada Constantinopla pelos turcos (1453), Ivan III, casado com a princesa bizantina Sofia Paleóloga (1472), proclamou Moscou a "terceira Roma", e os seus príncipes, herdeiros dos césares de Bizâncio. Ivan IV (1533-1584) foi o primeiro dos príncipes de Moscou que tomou o título de tsar (césar). A Ivan IV sucedeu Boris Godunov, um membro da nobreza feudal, fato que conduziu a um longo período de lutas internas. A invasão polonesa de Moscou (1610) provocou um levantamento russo generalizado, que logrou expulsar os invasores (1612). Em 1613, era entronizado Miguel I, fundador da dinastia Romanov. Em 1654, a sublevação antipolonesa dos cossacos do Dniepre permitiu a anexação da Ucrânia Oriental. Nos finais do séc. XVII, teve lugar a colonização da Sibéria ocidental. Pedro I o Grande (1682-1725) abriu a Rússia ao comércio ocidental arrebatando dos suecos uma importante franja litoral no golfo da Finlândia, onde fundou a nova capital, São Petersburgo. Catarina II (1762-1796), após a partilha da Polônia, anexou a Lituânia, Bielorrússia e Ucrânia (1796). No S, derrotados os otomanos, ocupou Azov e Crimeia (1783); ao E, foi descoberta Kamchatka e chegou-se ao estreito de Bering e Alasca. Desenvolveu-se a indústria e as comunidades urbanas, criaram-se novas cidades (Iekaterinburg) e portos (Sevastopol). Porém, 800.000 camponeses livres foram submetidos à servidão e as suas insurreições foram numerosas (Pugacëv, em 1773-1774).Império e revoluçãoO apoio prestado pela Rússia ao Reino Unido favoreceu a invasão das tropas napoleônicas (1812), que sofreram uma importante derrota. O tsar Alexandre I (1801-1825) foi protagonista da política europeia. No Congresso de Viena (1815), Alexandre I obteve a criação do reino da Polônia, submetido ao Império russo, e conquistou a Geórgia, Finlândia e Bessarábia. Nicolau I (1825-1855) continuou a expansão na Armênia, porém, foi derrotado na Guerra da Crimeia (1853-1856). No interior do país, a sua política reacionária baseou-se na autocracia, na repressão policial contra os opositores (Pushkin, Gogol, Lermontov), na religião ortodoxa e na russificação dos povos conquistados. As contínuas sublevações camponesas foram brutalmente esmagadas. Em 1861, o tsar Alexandre II suprimiu a servidão, entregando aos antigos servos pequenos lotes de terra, que não garantiam a subsistência. Entre 1861 e 1863, registraram-se 2.000 insurreições agrárias. As reformas liberais de Alexandre II adquiriram com os seus sucessores Alexandre III (1881-1894) e Nicolau II (1894-1917) um caráter conservador. Contudo, a burguesia liberal reclamava instituições políticas do tipo ocidental, enquanto a ala bolchevique (marxistas) dos sociais-democratas, liderada por Lenin, alcançava o apoio do proletariado, urbano e rural, que, sujeito a duras condições de vida, começava a confiar apenas na via revolucionária, fato demonstrado na Revolução de 1905, que a derrota da armada russa na Guerra Russo-Japonesa (1904-1905) anulou.
Rússia O tsar Nicolau II e a sua família
A formação da URSSA derrota das tropas russas durante a Primeira Guerra Mundial acelerou a crise tsarista, especialmente durante o inverno de 1916-1917. Nicolau II suspendeu a Duma (parlamento). Os bolcheviques exigiram a formação de um governo provisório, em 12 de março de 1917, operários e soldados atacaram os edifícios oficiais de São Petersburgo, pondo fim ao governo do tsar e estabelecendo um duplo poder: um Comitê Executivo da Duma e um Soviete de soldados e operários. Idêntica situação era vivida em Moscou e outras cidades. Nicolau II abdicou em favor do seu irmão Miguel (16 de março), que não aceitou a coroa, pelo que a monarquia ficava abolida de fato. Os bolcheviques controlaram todos os sovietes, especialmente o de São Petersburgo, presidido por Trotski. A máxima lançada por Lenin de "todo o poder para os sovietes" foi o leit motiv da insurreição bolchevique (23 de outubro), que em 8 de novembro formava um Conselho de Comissários do Povo, presidido por Lenin (Revolução Russa). Os bolcheviques, assinada a paz com os impérios centrais (paz de Brest-Litovsk, 1918), tiveram de enfrentar o bloqueio marítimo imposto pelos britânicos, franceses e americanos, e a guerra civil instada pelas forças contrarrevolucionárias (exércitos brancos) e a rebelião dos países dominados pela Rússia tsarista (Polônia, Finlândia, as repúblicas bálticas, Bielorrúsia, Bessarábia e Transcaucásia), que proclamaram a sua independência. Após três anos de luta, o Exército Vermelho bolchevique, organizado e dirigido por Trotski, derrotou os contrarrevolucionários de Wrangel. Em 30 de dezembro de 1922 nascia a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).A Federação Russa SoviéticaDentro da URSS, a Rússia desempenhou um papel central e hegemônico acentuando a russificação total dos territórios. Durante a II Guerra Mundial, o exército alemão ocupou parte do território russo e sitiou Leningrado (atual São Petersburgo) e Stalingrado (atual Tsaritsin), cuja resistência marcou o início da vitória soviética. Finalizada a guerra, a Rússia incorporou os territórios da Prússia Oriental, a República de Tuva e as ilhas Kurilas. Sob os mandatos de Stalin, N. Khruschov e L. Brezhnev, a Rússia liderou o desenvolvimento industrial e tecnológico que converteu a URSS em uma das duas grandes potências mundiais, exercendo, no contexto da Guerra Fria, a liderança do denominado bloco comunista. No entanto, a economia planificada do regime soviético começou a dar sinais de esgotamento entre as décadas de 1970 e 1980, impondo-se a necessidade de reformas modernizadoras.A transição democráticaA partir de 1985, a política reformista ( perestroika) do secretário-geral do PCUS, M. Gorbachev, teve consequências internas e externas (cimeira de Malta, 1989, acordo entre M. Gorbachev e o presidente dos EUA, G. Bush). Internamente, foi reformada a Constituição, sendo o Congresso de Deputados do Povo eleito com base em candidaturas múltiplas. A profunda crise econômica e política levou o Parlamento (1990) a pôr fim ao monopólio político do Partido Comunista (PCUS), instaurando um sistema presidencialista, com Gorbachev na liderança. As eleições gerais e municipais desse ano deram a vitória aos radicais e reformistas. Foi eleito presidente o candidato do PCUS, Boris Ieltsin, reeleito, por sufrágio universal, em 1991. Gorbachev, abandonado pelos reformistas, sofreu um golpe de Estado em agosto de 1991, protagonizado por elementos conservadores do PCUS. A resistência armada ao golpe, encabeçada por Ieltsin, acelerou o processo reformista. O PCUS foi proibido e, em 17 de dezembro, os presidentes da Rússia, Bielorrúsia e Ucrânia proclamavam o fim da URSS e a constituição da Comunidade de Estados Independentes (CEI), que foi constituída na reunião de Alma-Ata, no dia 21. A CEI era integrada por onze das quinze repúblicas. A Geórgia integrar-se-ia em 1993, tendo as repúblicas bálticas seguido caminhos distintos. Em 25 de dezembro de 1991, Gorbachev demitiu-se de todos os seus cargos e no Kremlin foi içada a bandeira tricolor russa. No dia seguinte, procedia-se à dissolução do Soviete Supremo.De Ieltsin a PutinA política reformista do primeiro-ministro E. Gaidar foi rejeitada pelo Parlamento, que forçou a sua destituição. Ieltsin encarregou então V. Chernomirdin, um reformista moderado, da formação de um novo governo (1992). Em março, foi assinado o tratado da Rússia, rejeitado pelas repúblicas da Tchetchênia-Ingussétia e da Tartária. Perante a contínua oposição do Parlamento à sua política, Ieltsin dissolveu-o (21 de setembro de 1993) e convocou eleições legislativas. Os deputados opositores, encerrados na sede da Câmara, votaram a destituição de Ieltsin e a sua substituição pelo vice-presidente, A. Rutskoi. Ieltsin, com o apoio dos chefes militares, ordenou o bombardeamento e posterior assalto do Parlamento (3 e 4 de outubro). Após as eleições de 12 de dezembro, formou-se um novo Parlamento de maioria reformista. V. Chernomirdin foi confirmado como primeiro-ministro. A ruptura das antigas estruturas políticas e econômicas e a falta de consolidação das novas provocaram a hegemonia das máfias em amplos setores. Em 1994, as tensões étnicas na Tchetchênia deram lugar a uma insurreição secessionista e a uma guerra aberta entre a guerrilha separatista e o exército russo, que tomou Grozni após 40 dias de intensos combates. Em 1995, chegou-se a um acordo com a Ucrânia na partilha da frota do mar Negro e à permanência da base russa de Sevastopol. Em 1996, Ieltsin foi reeleito presidente e, de novo, confirmou V. Chernomirdin na presidência do governo. Nesse mesmo ano, a Rússia integrou o Conselho da Europa, assinou um acordo fronteiriço com a China, reafirmado em outubro de 2004 com a totalidade de fronteiras definidas legalmente, e iniciou negociações com o Japão sobre o contencioso das Kurilas. Em 1998, o desastre financeiro que se seguiu à queda da bolsa de Moscou e a consequente demora face ao pagamento da dívida já existente, congelou as ajudas do Banco Mundial. Em paralelo, uma nova crise política provocou a queda do governo de S. Kiriyenko. Ieltsin designou novamente V. Chernomirdin, mas o Parlamento recusou-o, nomeando Y. Primakov, que formou governo em aliança com os comunistas. A crise do Kosovo e os bombardeamentos da OTAN à Iugoslávia (março de 1999), apesar da condenação de Moscou, evidenciaram a incapacidade russa para evitar a intervenção da OTAN nos territórios dos seus antigos aliados. Em agosto, uma nova mudança de governo, com V. Putin à cabeça, pôs a descoberto a política errática do presidente. Paralelamente, recrudescia o conflito na Tchetchênia com a tomada de várias cidades do Daguestan pelos guerrilheiros islamitas tchetchenos, que desencadearam uma onda de atentados terroristas em Moscou, provocando dezenas de vítimas. O primeiro-ministro Putin ordenou uma nova ofensiva contra a Tchetchênia, que se mantinha praticamente independente desde 1996. Em 31 de dezembro de 1999, Ieltsin anunciou a sua renúncia à presidência. As eleições presidenciais antecipadas em março de 2000 deram a vitória ao ex-primeiro-ministro Putin, apesar da denúncia de graves irregularidades eleitorais. A presidência de Putin foi marcada por um processo de centralização do poder do presidente em face da Duma e aos governos regionais. Na Tchetchênia, a destruição da capital e o seu controle por parte do exército russo não bastou para sufocar a resistência tchetchena armada sob a forma de guerrilha e atentados terroristas. Em 2002, a Rússia assinou um acordo de cooperação com a OTAN, abrindo as portas à participação russa nos debates da organização, embora sem direito de veto. Em março de 2003, foi celebrado na Tchetchênia um referendo que aprovou o projeto de constituição elaborado pelo governo russo onde lhe foi concedido o estatuto de república autônoma, embora como parte integrante e inalienável da Rússia. Em setembro, foi eleito presidente da Tchetchênia o candidato pró-russo Akhmed Kadirov. Em março de 2004, V. Putin ganhou, de novo, por ampla maioria, as eleições presidenciais. Um mês depois, o conflito tchetcheno reavivou-se com o assassinato de A. Kadirov em um atentado terrorista. Nesse mesmo ano, os setores mais extremistas da guerrilha tchetchena cometeram vários atos terroristas, entre os quais se destaca o assalto a uma escola de Beslan, na República Autônoma de Alânia. Nas operações de resgate morreram cerca de 300 pessoas, mais da metade eram crianças. Em outubro de 2004, a Duma ratificou o Protocolo de Quioto, o qual permitiu a entrada em vigor em escala mundial do acordo ambiental, sete anos depois de sua aprovação. Em outubro de 2006, o presidente V. Putin anunciou sua intenção de intensificar o controle da imigração georgiana, decisão que foi muito criticada pelo governo da Geórgia e que explicitou a tensa situação diplomática entre ambos países. Nas eleições presidenciais de 2008, se impôs o candidato designado por Putin, Dmitri Medvedev. Em maio de 2008, Putin foi nomeado primeiro-ministro da Rússia. No mês de agosto, o exército russo entrou em território da Geórgia como resposta à ação militar do exército georgiano sobre as regiões secessionistas de Ossétia Meridional e Abkházia, aliadas da Rússia e de grande importância estratégica no transporte energético. O posterior reconhecimento russo da independência destas duas regiões foi rapidamente condenado pelos EUA e a UE. Em setembro, a Rússia estabeleceu relações diplomáticas com a Abkházia e a Ossétia Meridional e instituiu um acordo de mobilização de bases militares permanentes nas duas regiões.
Rússia Vladimir Putin (direita) junto a Kim Jong II, presidente da República Democrática Popular da Coreia
ArteForam encontrados vestígios pré-históricos paleolíticos nas jazidas de Diring (250.000 anos) e Ustinovka (11500-10600 a.C.). De cronologia posterior, são os monumentos megalíticos do NO do Cáucaso. Velikent é uma jazida do Calcolítico e da Idade do Bronze. Está bem documentada a presença cita: necrópoles de Arzan, Suchanicha e vale de Ak-Alakha. Os gregos fundaram algumas colônias no atual território russo: Olbia (sécs. VI-IV a.C.) e Tanais.Arte medievalConvertidos os príncipes de Kiev ao cristianismo (988), as relações culturais com o Império Bizantino marcaram a primeira arte russa. Construíram-se igrejas de planta central de cruz grega com cúpulas de bolbo (séc. XII). Em Novgorod, cidade muito relevante do ponto de vista artístico, estão localizadas a Catedral de São Nicolau Taumaturgo (1113), as igrejas de Santa Sofia (c. 1050) e o Mosteiro do Salvador (1198). São importantes as edificações de Vladimir (Catedral, 1158-1189). O séc. XIII, marcado pela invasão tártara, foi pobre em termos artísticos, à exceção de Novgorod (São Nicolau de Lipno, 1292). Nos afrescos da Igreja da Transfiguração (séc. XIV), Teófanes o Grego deu liberdade e expressividade ao cânone bizantino.Do séc. XV ao séc. XVIIINo séc. XV, o papel de Moscou tornou-se predominante. Foi escassa a construção nas cidades bálticas: em Novgorod, o Paço Episcopal de Eutímio (1433), de influência gótica, e as fortificações do Kremlin (1484-1490); em Pskov, a Igreja dos santos Cosme e Damião (1462), com teto de oito vertentes. Nos afrescos da Catedral de Vladimir (1408) e em inúmeros ícones, A. Rublëv evidenciou um estilo elegante e refinado, que seguiria a escola pictórica moscovita (afrescos da Catedral de Ferapontov, de Dionysius), convertendo o séc. XV na época dourada da pintura russa. Ivan III contratou para trabalhar em Moscou o bolonhês A. Fioravanti, que na Catedral de Nossa Senhora Adormecida do Kremlin tratou de respeitar a tradição russa. A influência da arquitetura em madeira tornou-se evidente nos edifícios de pedra e tijolo (Catedral da Intercessão em Moscou, São Basílio, na Praça Vermelha, 1555-1560).
Rússia A catedral São Basílio, séc. XVI, na Praça Vermelha de Moscou
No séc. XVII, foram construídos inúmeros palácios em pedra, alguns decorados com maiólica policroma (Palácio Teremskoi no Kremlin, de B. Ogurcov, 1635-1636). O maior pintor da época foi o eclético S. Ushakov (1626-1686), que trabalhou no Palácio das Armas, em Moscou. No séc. XVIII, Pedro, o Grande, exerceu enorme influência na arte e no urbanismo com a fundação de São Petersburgo. A maioria dos seus edifícos correspondem ao Barroco (Catedral dos santos Pedro e Paulo, 1712-1733, de Trezzini) e ao Rococó (Palácio de Inverno, 1754-1762, de B.F. Rastrelli, que foi também o principal escultor da época). A Academia das Belas-Artes de São Petersburgo (fundada em 1757) impôs o neoclassicismo nacional.Do séc. XIX à atualidadeNo começo do séc. XIX, manteve-se o neoclassicismo (Catedral de Nossa Senhora de Kazan em São Petersburgo, de A.N. Voronihin, 1801-1811). Em Moscou, após o incêndio de 1812, registrou-se uma intensa atividade arquitetônica que se estendeu também às províncias, sobretudo com A.D. Zajarov. Mais tarde, aparece o revivalismo romântico de A. Thon, que criou o estilo "russo-bizantino". Relevante foi também o simbolismo (A. Berna, N. Roerich, V. Borisov-Musotov e M. Vrubel). Nos inícios do séc. XX, Moscou foi centro da vanguarda europeia, criada à volta dos seguidores de Cézanne (D. e V. Burliuk, I. Maskov, R. Falk, P. Konchalovski, A. Lentulov) ou do neoprimitivismo (M. Larionov, N. Goncharova, C. Malievitch, V. Tatlin e M. Sagal, conhecido como Marc Chagall). Nos inícios do período revolucionário da guerra civil surgiram movimentos de vanguarda abstrata (antecipada por V. Kandinski): M. Larionov, C. Malievitch e o construtivismo de V. Tatlin (Monumento à III Internacional, 1919). No entanto, foram se impondo as correntes conservadoras, responsáveis pela evolução da arte soviética. A arquitetura posterior à II Guerra Mundial caracterizou-se por um pesado e anacrônico monumentalismo (Universidade de Moscou, 1948-1953). Nas artes figurativas, prevaleceu o chamado realismo socialista. Após a queda do comunismo do Estado consolidaram-se figuras de primeira magnitude: I. Kabakov, E. Bulatov, Zvezdochotov, Volkov, V. Zakharov, K. Zvezdochotov, A. Shulgin, I. Piganov e o grupo Medical Hermeneutic.
CinemaOs estúdios cinematográficos nasceram em 1907. No ano seguinte, A.O. Drankov produziu Stenka Razin, o primeiro filme verdadeiramente nacional. Nesta época, destacaram-se I. Bauer e Y.A. Protazanov, entre outros.Após a Revolução de Outubro (1917), a produção cinematográfica, nacionalizada em 1919, tornou-se um instrumento de propaganda ao serviço da revolução e do marxismo, embora não fosse esquecida a experimentação artística e a criatividade pessoal. D. Vertov, criador da revista Kino-Pravda (cinema-verdade), fundou o grupo vanguardista Kino-Glaz (cinema-olho); L. Kulechov elaborou as suas primeiras teorias sobre a montagem no seu Laboratório experimental (1922) e o trio G. Kozintsev, L. Trauberg e S. Yutkevich criou em 1921 o grupo FEKA (Fábrica do ator excêntrico). A par de J. Protazanov (Aelita, 1924), sobressaíram também V.I. Pudovkin, A.P. Dovzhenko (Terra, 1930) e, acima de todos eles, S.M. Eisenstein, pilar fundamental do cinema russo, quer pelos seus escritos teóricos quer pelas suas inovadoras criações (O Encouraçado Potemkin).Com a chegada ao poder de Stalin (1931) o cinema, sujeito às orientações do Estado, aumentou o seu caráter propagandístico. A censura exerceu um papel determinante na eleição de uma temática que seguia as diretrizes do realismo socialista. Apesar das imposições oficiais, sobressaíram os filmes de M. Romm, F. Ermler, I. Trauberg ou A. Dovzhenko, e Eisenstein conseguiu realizar Alexandre Nevsky (1938) e Ivan, o Terrível, (1947), filme que acabou durante a II Guerra Mundial, época em que predominaram os documentários e reportagens bélicas e os filmes de propaganda patriótica.
Rússia Cena do filme Ivan, o Terrível, 1943, dirigida por Serguei Mikhailovitch Eisenstein
Morto Stalin (1953), a indústria descentralizou-se e nasceram pequenas cinematografias em todas as repúblicas. O afrouxamento das diretrizes totalitárias impostas pelo Estado favoreceu o surgimento de um cinema mais lírico e emotivo, representado por G. Chukhrai (O quarenta e um, 1956), S. Bondarchuk (O Destino de um Homem, 1959), G. Kozintsev (Dom Quixote, 1957) e M. Kalatozov (Quando Voam as Cegonhas, 1957), entre outros. A partir de 1965, esta tendência renovadora foi substituída por um academicismo tradicionalista e novas atitudes repressivas dificultaram o trabalho de diretores como A. Tarkovski, cujo Andrei Rublev (1966) apenas foi estreado no país muito mais tarde, apesar de ter alcançado amplo êxito internacional. Guerra e Paz, 1967, de S. Bondarchuk; Rei Lear, 1972, de G. Kozintsev; O Jogador, 1972, de A. Batalov, conheceram diretores com um estilo próprio e original: além de A. Tarkovski (Solaris, 1971; O Espelho, 1974), conseguiram destacar-se realizadores como Paradzhanov, A.Mikhalkov-Konchalovski, G. Panfilov e L. Chepitko. Porém, fato notável na década de 1970 foi a cinematografia das repúblicas federadas, com caráter próprio, onde se destacou a escola da Geórgia (O. Yoselani, T. Abuladze). Nas décadas de 1970 e 1980, junto a veteranos como Mikhalkov-Konchalovski, Panfilov, Tarkovski ou E. Klimov, apareceram novos criadores: N. Gubenko (Os Orfãos, 1976), A. Guerman ou V. Abdrashitov. Após a queda do regime comunista e o desmembramento da URSS, o cinema russo recuperou a liberdade, embora a crise econômica e a situação caótica do setor cinematográfico tenha obrigado à coprodução. No entanto, destacaram-se N. Mikhalkov (O Sol Enganador, 1994, Oscar para a melhor película de língua não inglesa; O Barbeiro da Sibéria, 1998), A. Sokurov e S. Bodrov, entre outros.
LiteraturaO início da literatura em língua russa inscreve-se no quadro histórico do cisma que dividiu o cristianismo em rito romano e rito bizantino, causa do isolamento da Rússia da cultura ocidental, juntamente com as invasões tártaras (séc. XIII). Em Kiev e Novgorod, aparecem as bilinas, poemas épicos populares inspirados em diversos mitos e protagonizados por heróis lendários, os bogatiri. Os primeiros documentos escritos são obra de clérigos; textos de caráter religioso escritos em eslavo, a língua da Igreja, que remonta ao séc. XI, como o Evangelho de Ostromir. No séc. XII, a Crônica de Nestor fixa um modelo cronístico e o anônimo Poema de Igor mistura épica e técnicas de oratória. Até o séc. XV registra-se uma época de decadência cultural provocada pelos tártaros. A recuperação consolida-se definitivamente durante o reinado de Ivan IV o Terrível que se revela um notável prosador, através da sua correspondência pessoal. É no séc. XVIII com Isabel, a filha de Pedro, o Grande, que renasce a cultura russa; na literatura, V.K. Trediakovski abraçou e difundiu os princípios do classicismo francês, M.V. Lomonosov, científico e humanista, realizou uma divisão dos gêneros literários e reservou o eslavo para os textos eruditos, e Sumarokov destacou-se como trágico ao estilo de Racine. Catarina II apresenta-se como defensora das novas ideias do Iluminismo. Com espírito crítico, escritores e dramaturgos exploraram a realidade russa em diversos quadros de costumes. D.I. Fonvizin, através do seu drama O Menor de Idade (1783), assentou os rasgos prototípicos do teatro nacional russo. G.R. Derzhavin é o maior poeta da altura. Nos finais do séc. XVIII, a Rússia estava totalmente aberta às influências francesa e inglesa e os temas predominantes do momento são bastante similares aos do pré-romantismo europeu. Influenciado por Sterne e pelos romancistas ingleses, N.M. Karamzin obteve grande êxito com o romance Pobre Lisa (1792). Considerado um dos fundadores da comédia nacional russa, foi em A.S. Griboiedov que aparecem os primeiros esboços do realismo e é da produção de Pushkin que parte toda a literatura russa moderna: Boris Godunov (1824), Evgenij Onegin (1831), manifesto da corrente romântica e inspiradora do realismo, A filha do capitão (1834). Em volta de Pushkin, desenvolveu-se o romantismo (A.A. Delvig, Y.A. Baratinski, N.M. Yazíkov, A.I. Polezhaiev, A. Kolkov e, sobretudo, M. Lermontov (Um Héroi do Nosso Tempo, 1840), precedente de F. Dostoievski). O romance consolidou-se com a geração de 1840. Em N.V. Gogol, combinam-se duas correntes contraditórias, realismo e fantasia, através de uma grande habilidade para o tratamento da sátira e do humor: O Inspetor Geral (1836), O Nariz (1836), Almas Mortas (1842). O realismo produziu obras notáveis: Oblomov (1859) de Goncharov, Pais e Filhos (1862) de Turguenev. É através de Chernishevski, com seu romance-manifesto Que fazer? (1863), e de M.Y. Saltikov-Schedrin, com Os Senhores de Golovliov (1876), que se chega aos dois universais romancistas russos do séc. XIX: F.M. Dostoievski (intérprete das inquietudes da alma, dos conflitos da consciência e do espírito em Crime e Castigo 1866; O Idiota, 1868-1869; Os Irmãos Karamazov, 1879-1880) e L.N. Tolstoi (cantor da vida e analista dos valores existenciais em Guerra e Paz, 1865-1869; Ana Karenina, 1875-1877). Tolstoi defendeu o amor fraternal e o retorno a um cristianismo primitivo e mais autêntico, reivindicou a vida rural e condenou a indústria capitalista. Após 1860, o debate político torna-se tema predominante (T.Belinski). Paulatinamente, a literatura pauta-se não apenas por critérios literários, mas também por conceitos de utilidade e moralidade. Valorizam-se os escritores "cívicos" em relação aos seguidores da "arte pela arte" (A. Tolstoi, Polonski). Com A.P. Chejov aparece uma voz totalmente nova na literatura russa, figura central da geração de fim de século, que revitaliza a corrente realista e se destaca especialmente como contista e dramaturgo, com obras como A Gaivota (1896), ou O Jardim das Cerejeiras (1904). O realista M. Gorki com Os Baixos Fundos (1902) e A Mãe (1907), após a Revolução, tornar-se-á símbolo da literatura soviética, precedente do realismo socialista. Após o naturalismo e o positivismo, a influência ocidental provoca o nascimento do simbolismo russo, profundamente relacionado com o francês: A.A. Blok, talvez o poeta russo mais importante de inícios do séc. XX, V. Soloviov, V.Y. Briusov, K.D. Balmont, Z.N. Hippius e V.I. Ivanov. Na prosa, brilham D.S. Merezhkovski, L.N. Andreiev, A. Bielyi, I.A. Bunin, premiado com o Nobel, A.I. Kuprin e A.S. Serafimovitch. No teatro, aparecem novos conceitos cênicos e interpretativos (Stanislavski, Nemirovich-Danchenko, Meierjold e Vajtangov). O realismo tradicional e o simbolismo decaíram antes da I Guerra Mundial. A Rússia aderiu ao vanguardismo, especialmente ao acmeísmo (N.S. Gumiliiov, O.E. Mandelstam e A.A. Ajmatova) e ao futurismo (V.V. Jliebnikov e V.V. Maiakovski). Após a Revolução de 1917, a literatura soviética ficou dividida em três ramos: os emigrados, aos quais pertenciam escritores como Nabokov ou Tsvetaieva; os literatos oficiais, Gorki; e, por último, os escritores não oficiais, autores do samizdat ou, simplesmente, de obras não publicadas até muito depois da sua criação. Na década de 1920, proliferaram as associações de escritores proletários com o objetivo de definir e consolidar a estética marxista; muitas acabaram no sectarismo e no ataque à crítica formalista (Opoiaz, Shklovski, Eijenbaum, Tinianov, O. Brik), aos vanguardistas preocupados pela linguagem (Esenin, Maiakovski, os construtivistas) e aos escritores apolíticos. Na poesia, destacaram-se Esenin, Tijonov, N. Aseiev e B. Pasternak; na prosa, I. Babel (assassinado durante o stalinismo), M. Bulgakov, V. Ivanov, A. Veselii, A. Tolstoi e M. Sholokhov, autor de O Dom Silencioso (1928-1940), contemplado depois com o prêmio Nobel. Durante a década de 1930, as associações de escritores agrupam-se na União de Escritores, que adotou em 1934 o realismo socialista como estilo oficial e se tornou o organismo dominante da literatura soviética. A situação internacional introduziu na literatura russa uma temática antifascista e patriótica, desenvolvida durante a II Guerra Mundial. Durante a última etapa do stalinismo, a literatura entrou em notória decadência, oprimida pelo realismo socialista. As medidas tomadas pelo XX Congresso (1956), após a morte de Stalin, favoreceram uma certa democratização da vida social, da qual beneficiou a literatura soviética; contudo, Pasternak teve de renunciar ao prêmio Nobel em 1958 e não pode ver publicado Doutor Jivago (1ª edição em Itália, 1957). Na década seguinte, a literatura soviética alcançou uma tímida recuperação, embora as medidas impostas por Breznev (processo de A. Siniavski e Y. Daniel em 1966) provocassem uma segunda vaga de emigrantes: os prêmios Nobel Brodski e Solzhenitsin (Arquipélago Gulag, 1973-1975), Siniavski ou Zinoviev. No país, permaneceram Yevtushenko, Nekrasov, Ehrenburg, Trifonov e Rasputin. A glastnost abrandou a censura e publicaram-se obras até então proibidas. A queda do regime soviético teve enorme efeito sobre a literatura em língua russa: retorno de escritores exilados (Solzhenitsin), publicação não censurada de obras como Doutor Jivago e o acesso livre do público russo a inúmeras obras da literatura ocidental. Terminou também a divisão entre a literatura oficial e a não oficial. Durante a década de 1990, predominou uma variante do pós-modernismo. Destacaram-se os romancisas V. Makanin e A. Azolski, e, entre os novos valores, A. Melikhov. Na poesia, distinguiram-se A. Kushner e T. Kibirov.
Rússia Fiodor Mikhailovitch Dostoievski
MúsicaAs primeiras manifestações musicais eslavas orientais são constituídas por simples cantos de extensão melódica limitada, inspirados na vida social e na passagem das estações. A música sacra, cuja presença data de 988, ano da conversão russa ao cristianismo, contribuiu enormemente para a formação de um patrimônio musical nacional. No séc. XVII, foi introduzida a notação musical em cinco linhas, realizou-se um grande trabalho de revisão e classificação de toda a música litúrgica, e, apesar da oposição oficial, a música sacra foi enriquecida com formas ligadas à tradição ocidental. A partir de 1750, a estadia de músicos de grande fama, sobretudo italianos, nos principais centros russos contribuiu para o nascimento de uma música culta nacional. Sob a sua influência, nos finais do séc. XVIII já se afirmaram compositores russos: Y.I. Fomin, M. Matinski e V.A. Pashkevitch no teatro, J. Kozlovski no gênero vocal e I. Jandoshkin no instrumental. No século seguinte, a assimilação da música ocidental manifestou-se com S.N. Titov, N.A. Titov, A. Varlamov e A.F. Lvov, autor do hino nacional Deus salve o Tsar (1833). O principal iniciador da escola nacional foi M.I. Glinka, que criou uma fusão pessoal entre melodias, harmonias e ritmos da música folclórica russa com formas e técnicas da ópera italiana. O seu sentido de orquestração foi recolhido por A. Dargomyzhsky e pelos membros do Grupo dos Cinco, constituído por M.A. Balakirev, T.A. Kiui, A.P. Borodin, N.A. Rimski-Korsakov e M.P. Musorgski. O significado da obra de Musorgski foi muito mais além que a dos outros membros do grupo através da procura de um novo caráter vocal modelado sobre as inflexões da linguagem falada, as harmonias e seus ritmos selvagens. Outros compositores seguiram o caminho do Romantismo alemão ou procuraram no ecletismo formas de expressão válidas (A.G. Rubinstein, P. Tchaikovski, A.K. Liadov, A.S. Taneiev, A.S. Arenski, A.K. Glazunov, A.N. Scriabin ou S.V. Rakhmninov). A grande personalidade da composição russa, I. Stravinski, contou com uma tradição de gosto claramente ocidental. Outros destacados músicos contemporâneos foram S.S. Prokofiev, D.D. Shostakovitch, A.I. Khatchaturian, D.V. Kabalevski, E. Denisov, A. Schnittke, V. Silvestrov e N. Tishchenko.

Subir