> Galería de Fotos (1 elementos)


1 Medias
   > Artigos relacionados

EV
endocrinologia
Medicina. s. f. Ramo da medicina que estuda a anatomia, a fisiologia e a patologia das glândulas de secreção interna, os respectivos mecanismos de ação e os efeitos dos seus produtos de secreção.
Distúrbios orgânicos como os apresentados por crianças gigantes, adultos anões e homens obesos e de voz aguda só vieram encontrar explicação racional a partir do estudo do sistema endócrino, perdendo assim o halo de mistério que os envolveu durante séculos.
A endocrinologia é o ramo da medicina que estuda as alterações das glândulas endócrinas, ou de secreção interna, que fabricam e lançam na corrente circulatória diversas substâncias. Até o final do século XIX, as investigações nesse campo limitavam-se a observar o que ocorria quando se extirpavam determinadas glândulas de um animal. Só com os avanços obtidos, na primeira metade do século XX, nos campos da fisiologia e da bioquímica começou-se a interpretar o significado das disfunções glandulares e sua conexão com os processos internos do organismo.
Os hormônios, produzidos pelas glândulas endócrinas, são responsáveis por diversos processos e pontos do organismo distantes entre si. A ação hormonal controla o metabolismo, regula as funções orgânicas e prepara o corpo para enfrentar situações externas de emergência ou para adaptar-se ao meio.
Principais alterações endócrinas
As alterações endócrinas relacionam-se principalmente com o excesso de secreção (hiperatividade) ou com sua carência (hipoatividade) por parte das glândulas correspondentes. Esses distúrbios têm diferentes causas – genéticas, nutricionais, traumáticas ou decorrentes da idade, da formação de tumores etc.
O funcionamento deficiente da hipófise – glândula extremamente importante, pois dirige o funcionamento de todo o sistema endócrino mediante a liberação de uma série de substâncias reguladoras das outras glândulas – pode acarretar diversos problemas. Sua hipersecreção provoca, entre outras síndromes, o gigantismo e a acromegalia. O primeiro afeta indivíduos jovens e se caracteriza por provocar crescimento acelerado e extraordinário de características patológicas. A acromegalia ocorre em adultos e, embora não altere a estatura do indivíduo, provoca o crescimento exagerado dos pés e das mãos, acompanhado às vezes de deformações faciais, como o crescimento do nariz e dos lábios.
A tireoide, glândula de fundamental importância por regular o metabolismo geral do organismo e influir de forma decisiva no crescimento, pode sofrer alterações como o bócio exoftálmico, resultante da hipersecreção tireoidiana que se manifesta no aumento da atividade cardíaca, irritabilidade, crescimento acelerado do pescoço, dilatação das órbitas oculares etc.; e o mixedema, causado pela secreção glandular deficiente, e na qual se observam anemia, apatia e indolência, além de outros problemas.
A hipofunção das suprarrenais ocasiona o mal de Addison, que dá aos indivíduos afetados uma cor parda. A secreção deficiente de insulina no pâncreas causa o diabetes melito, grave alteração do metabolismo dos carboidratos, e que eleva o nível de glicose no sangue. Os distúrbios na secreção dos hormônios sexuais dão origem a inúmeros quadros patológicos como a atrofia dos órgãos genitais e interferências no metabolismo.

Subir